Você costuma cheirar frutas antes das refeições? Pois saiba que um recente estudo, publicado na revista científica "Appetite", explana que fica muito mais fácil resistir a tentações como sobremesas deliciosas e pratos calóricos após ter cheirado uma fruta.

Estar exposto a aromas de frutas pode fazer com que o cérebro opte por selecionar opções mais saudáveis de alimento, com ênfase na sobremesa.

Psicólogos da Universidade de Bourgogne, na França, informaram que essas descobertas evidenciam como os cheiros influenciam nas nossas opções alimentares, afinal os voluntários que integraram a pesquisa não foram informados previamente que seriam submetidos a cheiros de frutas.

Sobre a dinâmica da pesquisa:

Um total de 115 homens e mulheres, entre 18 e 50 anos de idade, participou da pesquisa. Eles foram distribuídos em dois grupos, sendo que antecipadamente lhes foi informado que o estudo serviria para avaliar de que forma as pessoas se comunicam enquanto realizam uma refeição.

Um dos grupos foi instruído a ficar por alguns instantes em uma sala de espera que em instantes anteriores havia sido pulverizada com o aroma de peras frescas. O outro grupo aguardou em uma sala de espera que não possuía qualquer odor de frutas.

Depois de 15 minutos, os participantes do estudo eram direcionados a um Buffet, sendo possível escolher três pratos – entrada, refeição principal e sobremesa. Havia pratos com frutas e legumes em todas as refeições, bem como pratos sem essas opções saudáveis.

Embora o cheiro da pera não tenha tido tanto efeito no momento de escolher a entrada ou a refeição principal, no momento da sobremesa tornou-se evidente a preferência por algo mais saudável. Três em cada quatro participantes que não estiveram expostos ao aroma da pera escolheram a sobremesa mais calórica, essa mesma escolha foi feita por menos da metade dos que sentiram previamente o cheiro da pera. Fato que evidencia que o apetite pode ser construído por estímulos inconscientes.

Por Rafaela Fusieger

Aromas das frutas

Foto: Divulgação


O excesso de sal na alimentação pode provocar aumento da pressão alta e causar danos aos rins. Sempre que possível, tente consumí-lo em menor proporção, e evite ao máximo, alimentos industrializados, uma vez que, a maioria destes contém bastante sódio.

Procure migrar para os alimentos naturais, e faça mais uso de condimentos como pimenta, salsinha, alho, cebola etc. Saiba que o alho é indicado para controlar a pressão e colesterol altos;  a cebola protege-nos de certas espécies de micro-organismos; e ambos são auxiliares no combate a doenças graves como o câncer.

A pimenta, por sua vez, ajuda na prevenção do envelhecimento celular e dá uma “turbinada” no metabolismo. Sendo indicada para dietas de emagrecimento. Não se esqueça da salsinha, que além de enfeitar as refeições, ataca doenças cardíacas e renais. Enfim, a lista de condimentos do “bem” é longa, então não deixe de explorá-los e se informar sobre os seus benefícios.

Por Gilvani de Oliveira


Segundo uma pesquisa realizada, pelo menos metade da população brasileira faz uma refeição fora de casa todos os dias. Para evitar ganhar peso e não ter problemas de saúde, algumas regrinhas nutricionais básicas podem ser seguidas.

Uma refeição equilibrada e feita com alimentos saudáveis deve ser um estilo de vida. Para a grande parte da população que almoça, por exemplo, fora de casa precisa saber que o prato deve conter uma porção de proteína (carne magra é o ideal), uma de carboidrato (arroz, batata e etc) e uma de hortaliças (folhas e legumes).

Os nutricionistas dizem que é bom caprichar na salada e ter porções menores de carne e carboidrato, mas cuidado com os temperos, prefira azeite aos molhos, só não vale exagerar na quantidade e também use pouco sal.

Montar o prato uma única vez é o ideal. Quem repete, costuma abusar da quantidade de comida. Também vale evitar sobremesas muito cheias de açúcar, é melhor substituí-las por frutas, pois estas fornecem ao organismo vitaminas e fibras.

Por Danielle Vieira


Para os baixinhos crescerem saudáveis é indispensável uma boa alimentação. Mas o que fazer se seu filho come pouco, só gosta de bobagens ou escolhe demais? Segundo a nutricionista Bruna Camargo, da Materna Escola Infantil, a alimentação adequada é a que reúne todos os ingredientes necessários para o desenvolvimento da criança. Confira as dicas da profissional de saúde:

Ofereça porções de comida próprias, levando em conta o tamanho o estômago da criança;

Varie os alimentos. Comer a mesma coisa todo dia não dá!

Incremente o prato com alimentos de cores variadas.

Evite que seu filho belisque entre as refeições.

Mantenha legumes e verduras em todas as refeições.

Caso a criança não aceite a refeição, não a obrigue comer para que ela não fique traumatizada.

Por Amanda Pieranti





CONTINUE NAVEGANDO: