Segundo estudos, uma alimentação com peso maior de proteína pode contribuir para a perda de peso.

Atividade física e alimentação equilibrada são aliados para quem deseja entrar em forma e definir o corpo. Normalmente, as dietas incluem 55% a 60% de carboidrato, 30% de gordura inferior, além de 15% de proteína. Mas, sabia que alguns estudos indicam que uma alimentação que tenha um peso maior de proteína no cardápio pode contribuir para a dieta? Desta forma, a nova dieta passaria a diminuir a quantidade de carboidrato para 40% a 50% e aumentar a quantidade de proteína para 22% a 45%.

Desta forma, a dieta proporcionaria ao indivíduo maior saciedade, uma vez que a proteína tem a digestão mais demorada. Como consequência, a pessoa iria comer em proporções menores. Além disso, o aumento da quantidade de proteína produz o efeito térmico do alimento (eta), que é a elevação do gasto energético após a ingestão de uma refeição.

Entre outros benefícios, destacam-se o aumento do estímulo à degradação da gordura corporal, além da preservação da massa muscular durante o processo de emagrecimento. Quanto mais elevado o conteúdo da massa muscular no organismo, o metabolismo energético tende a acelerar também.

Desta forma, as pesquisas indicam que o aumento deve ser associado a carboidratos durante as refeições intermediárias ao longo dia como, por exemplo, lanche da tarde, ceia, desjejum, entre outras. Assim, o aumento não é indicado para refeições mais pesadas como almoço e jantar. O aumento deve ser feito de forma equilibrada.

Por exemplo, o café da manhã é uma das principais refeições do dia, e ele auxilia no controle glicêmico, peso e diminui o risco de várias doenças. Mas, se essa refeição for associada a uma quantidade maior de proteínas, pode trazer outros benefícios para a saúde. Porém, antes de iniciar qualquer dieta é necessário procurar um nutricionista. Cada organismo é único e possui o seu próprio metabolismo, além disso, cada pessoa tem a sua própria necessidade de nutrientes diários. 

Por Babi

Dieta da proteína


Segundo estudos, uma alimentação com peso maior de proteína pode contribuir para a perda de peso.

Atividade física e alimentação equilibrada são aliados para quem deseja entrar em forma e definir o corpo. Normalmente, as dietas incluem 55% a 60% de carboidrato, 30% de gordura inferior, além de 15% de proteína. Mas, sabia que alguns estudos indicam que uma alimentação que tenha um peso maior de proteína no cardápio pode contribuir para a dieta? Desta forma, a nova dieta passaria a diminuir a quantidade de carboidrato para 40% a 50% e aumentar a quantidade de proteína para 22% a 45%.

Desta forma, a dieta proporcionaria ao indivíduo maior saciedade, uma vez que a proteína tem a digestão mais demorada. Como consequência, a pessoa iria comer em proporções menores. Além disso, o aumento da quantidade de proteína produz o efeito térmico do alimento (eta), que é a elevação do gasto energético após a ingestão de uma refeição.

Entre outros benefícios, destacam-se o aumento do estímulo à degradação da gordura corporal, além da preservação da massa muscular durante o processo de emagrecimento. Quanto mais elevado o conteúdo da massa muscular no organismo, o metabolismo energético tende a acelerar também.

Desta forma, as pesquisas indicam que o aumento deve ser associado a carboidratos durante as refeições intermediárias ao longo dia como, por exemplo, lanche da tarde, ceia, desjejum, entre outras. Assim, o aumento não é indicado para refeições mais pesadas como almoço e jantar. O aumento deve ser feito de forma equilibrada.

Por exemplo, o café da manhã é uma das principais refeições do dia, e ele auxilia no controle glicêmico, peso e diminui o risco de várias doenças. Mas, se essa refeição for associada a uma quantidade maior de proteínas, pode trazer outros benefícios para a saúde. Porém, antes de iniciar qualquer dieta é necessário procurar um nutricionista. Cada organismo é único e possui o seu próprio metabolismo, além disso, cada pessoa tem a sua própria necessidade de nutrientes diários. 

Por Babi

Dieta da proteína


O número suplementos alimentares disponíveis no mercado aumentam a cada ano, assim como a sua procura.

Mas vale lembrar que se forem consumidos de maneira incorreta podem causar sérios danos à saúde, todos devem tomar cuidado.

Para cada biotipo físico existe um suplemento especifico, a maioria é rico em proteína e são voltados para pessoas que desejam obter mais massa muscular.

Existem muitas lojas on line para aquisição mais rápida e facilitada desses produtos, assim como nas lojas especializadas, que podem ser facilmente encontradas pelo pais.

Entre os mais vendidos, o líder do ranking é o NO2 – NitroActive, ideal para ganho de massa muscular, e a proteína mais vendida no mundo todo é a Whey Protein.

Os preços variam muito de acordo com as lojas e as importadoras.

Por Milena Evelyn


A vida de um adolescente pode ser preenchida com uma superabundância de situações indutoras de stress – trabalho escolar, desporto, círculos de amigos, aprender a dirigir e criar um apelo sexual. Essas situações podem ser assistidas através de suplementos de proteína que são perfeitamente seguros para os adolescentes de ambos os sexos e de todas as idades. Os suplementos à base de proteína podem ser encontrados em qualquer lojas de alimentação.Se você pretende usá-los é necessário fazê-los trabalhar a seu favor.

Existem dois principais tipos de suplementos protéicos no mercado – a caseína e a proteína do soro. Cada uma destas proteínas deriva de leite e vem em forma de pó fino. Enquanto a contagem de calorias de cada opção pode variar, ambas as proteínas são perfeitamente seguras para que os adolescentes tomem regularmente, até porque elas são dois tipos de proteínas que compõem o leite materno.

Recomenda-se uma quantidade específica de proteína por dia para cada pessoa com base em seu peso corporal e nível de atividade. A quantidade recomendada para pessoas que vivem um estilo de vida sedentário é 0,5 g de proteína por quilo de peso corporal, 0,8 g de proteína por quilo corporal para pessoas que se exercitam com freqüência e 1,0 g de proteína por quilo corporal para quem deseja ganhar massa muscular magra. Esta recomendação, no entanto, podem saltar consideravelmente, podendo chegar ao dobro dos valores mencionados, para os adolescentes e crianças em crescimento.

A Whey protein (proteína de soro) é de rápida absorção. Isto significa que você pode ter várias porções de proteína de soro de leite por dia, com efeitos colaterais zero. A Whey pode também reduzir as chances das meninas adolescentes desenvolverem câncer de mama. De acordo com pesquisas, mulheres que comeram a proteína de soro regularmente tinham uma chance 56 por cento menor de desenvolver câncer de mama do que aquelas que comiam outras formas de proteína.

A caseína é uma proteína de digestão lenta, levando por vezes até sete horas para deixar o estômago, portanto ela funciona de forma mais eficiente se for tomada antes de ir dormir à noite. A caseína libera um fluxo constante de aminoácidos essenciais para a construção muscular, ao contrário da proteína do soro de leite, que libera uma grande quantidade de aminoácidos em um período muito curto de tempo.

Os suplementos proteicos podem ser extremamente eficazes no desenvolvimento de músculo esquelético para adolescentes, no entanto, estes suplementos contêm certas quantidades de calorias que devem permanecer dentro de uma diretriz segura, mesmo para os adolescentes. A quantidade que adolescentes podem comer é largamente dependente do seu nível de atividade. adolescentes sedentários precisam de comer entre 1.600 e 2.400 calorias, adolescentes moderadamente ativos necessitam entre 1.600 e 2.800 calorias e adolescentes muito ativos necessitam entre 1.800 e 3.200 calorias por dia. Para determinar a sua recomendação específica calórica, use as tabelas de calorias ou consulte seu médico.

Por Rodolfo Fialho


De todos os componentes de uma dieta de perda de peso bem-sucedida, poucos se podem comparar em importância ao consumo de proteína ideal. Enquanto alimentos integrais podem ser uma grande fonte de proteínas, muitos se voltaram para a proteína de soro do leite (ou whey protein) e outros suplementos para satisfazer as suas necessidades diárias deste nutriente. Antes de decidir tomar suplementos de soro de leite, no entanto, é importante entender os riscos e benefícios que essa proteína pode proporcionar.

Um dos mitos mais comuns associados com o consumo de suplementos protéicos é que eles podem aumentar o risco de osteoporose. Esta teoria foi baseada em indícios de que o aumento do consumo de proteínas pode elevar os níveis de excreção de cálcio na urina, os pesquisadores levantaram a hipótese de que esse desprendimento de cálcio seria causado pela suplementação proteica. Estudos posteriores mostraram, contudo, que o motivo foi realmente causado pelos suplementos de proteína, tais como a whey protein, que são muito ricos em cálcio, e essa excreção foi um resultado da ingestão de cálcio aumentada. Na verdade, descobriu-se que quando a ingestão de cálcio é adequada, o consumo extra de proteína diminuiu o riscos da osteoporose.

Uma das razões para a whey protein ser particularmente benéfica para perda de peso é que ela consiste de proteínas de qualidade muito superior em relação a maioria das fontes de proteína. A alta concentração de todos os aminoácidos essenciais, aqueles que não produzimos, aliada a uma excelente digestibilidade, fazem dela um tipo de proteína de alto valor biológico. Na verdade, o soro possui elevados índices de leucina, isoleucina e valina, os principais aminoácidos que são responsáveis pela síntese de proteínas.

Outra razão pela qual a whey protein pode ajudar na perda de gordura é a sua capacidade de aumentar o seu déficit calórico diário. A proteína é significativamente mais saciante que os carboidratos ou gordura. Além disso, proteínas são muito mais difíceis para o seu copo digerir do que os demais macronutrientes, levando a níveis muito maiores de termogênese pós-prandial, ou seja, a proteína causa a queima de maior quantidade de calorias em repouso durante o dia.

Outro motivo pelo qual a proteína de soro de leite pode ser benéfica ao tentar perder peso é devido à sua capacidade de ajudar a preservar a massa magra. Durante períodos de déficit calórico, o organismo prefere quebrar o músculo para obter energia, pois células musculares são mais metabolicamente ativas do que as de gordura. Perder massa magra do corpo quando se esta de dieta pode ter conseqüências negativas sobre sua saúde e sobre os resultados de sua dieta, uma vez que uma menor quantidade de massa magra implicará em uma taxa metabólica basal menor.

Por Rodolfo Fialho


Comer bastante proteína pode controlar a glicose e o peso. A proteína tem pouco ou nenhum efeito sobre a glicose e também ajuda a controlar a fome entre as refeições.

E, para quem deseja perder peso, consumir mais proteína também evita a queima do tecido muscular para obter calorias, fazendo o peso diminuir mais facilmente.

A boa notícia pode animar as pessoas que gostam de fazer um churrasco no final de semana, mas é importante optar pelas proteínas mais saudáveis, como: peixes e mariscos; aves sem pele; nozes; sementes; queijo branco; leite desnatado ou semidesnatado; ovos; lentilhas, ervilhas; iogurte e feijão (exceto o fradinho).

Por Cláudia Brito





CONTINUE NAVEGANDO: