O café sempre foi uma das bebidas mais consumidas tanto no Velho quanto no Novo Mundo. Muito mais que um simples estimulante, a cafeína tem se tornado parte da vida das pessoas e está presente não só dentro das nossas casas, mas também nas mesas de escritórios de muita gente.

As vantagens da bebida na saúde das pessoas ainda são muito discutidas na medicina. Existem vários estudos que mostram benefícios ao coração e ao cérebro, mas pouquíssimas pesquisas correlacionam a expectativa de vida de quem aprecia a bebida.

Segundo uma pesquisa americana publicada no periódico especializado The New England Journal of Medicine e realizada com mais de 400 mil pessoas durante 14 anos, a taxa de mortalidade daqueles que bebem café e daqueles que não bebem foi comparada, e os resultados foram impressionantes.

A pesquisa concluiu que os homens que tomam entre 4 e 5 xícaras de café têm 12% a menos de chances de morrer. Já a chance de sobrevivência das mulheres subiu 16% tomando a mesma quantia em comparação com aquelas que não bebem café.

Segundo Neal Freedman, a mente por trás da pesquisa, essas estimativas não são uma garantia dos efeitos do café para a sobrevivência, mas já é possível especular sobre seus benefícios na saúde humana, uma vez que a pesquisa demonstrou uma relação inversa entre os efeitos do consumo de café e a morte. O estudo considerou ainda todos os motivos de mortes como infecções, derrames e diabetes.

Por via das dúvidas, acho melhor continuar com as doses diárias de cafeína. Afinal, o que não mata, pode te deixar mais esperto e disposto pela manhã não é verdade?

Por Ebenézer de P. Carvalho


Certa vez uma jornalista de Manaus, que gostaria de fazer um tratamento para redução de gordura localizada no Rio de Janeiro, iniciou uma longa lista de solicitações e obstáculos para cumprir o tratamento indicado. Sua agenda cheia de seus horários irregulares a impediriam de cumprir a maior parte da programação. O que ela não percebia é que, na verdade, os obstáculos eram uma forma de se sabotar o próprio tratamento, muito comum à maioria das pessoas que querem fazer um tratamento apenas para satisfazer as exigências do mercado.

Muito mais simples e prazeroso é decidir-se por cuidar do próprio corpo equilibrando a alimentação diária. Frutas são sempre uma boa pedida, mas a dica do momento é aumentar o consumo de uvas, sobretudo para as mulheres.

A uva possui propriedades antioxidantes, que combatem os radicais livres, e também regulariza o ciclo e o fluxo menstrual, minimizando os efeitos da TPM. O ideal é que se consuma em torno de 100 gramas por dia, equilibrando o organismo entre um ciclo e outro. Como há uma tendência natural das mulheres à anemia, a consulta a uma nutricionista também pode ajudar na composição de uma dieta diária leve e sem privações, que tanto estressam quem quer aproveitar a vida sem brigar com a balança.

Por Rosane Tesch





CONTINUE NAVEGANDO: