Vitamina B3 presente no alimento pode contribuir para conter o envelhecimento.

A preocupação em levar uma vida saudável há algum tempo é frequente entre os brasileiros. Escolher alimentos integrais, sem glúten, sem lactose, dar preferência para frutas e verduras é uma realidade nos lares do país. Além disso, a prática de exercícios físicos também aumentou nos últimos anos.

Uma dieta equilibrada leva uma maior longevidade para as pessoas, consequentemente, o envelhecimento também tende a se retardar.

O consumo de carne vermelha é polêmico entre as pessoas que levam uma vida mais regrada. Muitos acreditam que o consumo não é benéfico, pois argumentam que ela é fonte de gordura e alto índice de colesterol. Outros argumentam que só as carnes ditas brancas, como frango e peixe, já que são fontes de ácidos graxos (substância que é fonte de energia para o corpo), ômega 6 (está intimamente ligado à formação de células saudáveis) e ômega 3 (que ajuda a diminuir o colesterol ruim, aumentando o colesterol bom). Mas o que vai fazer toda a diferença é o tipo de carne e também a quantidade ingerida.

A carne vermelha é de vital importância para um cardápio saudável, pois é uma fonte de proteína. A função das proteínas é doar material para a construção e manutenção de todos os órgãos e tecidos do corpo humano. Também participam da formação de anticorpos, hormônios e enzimas no corpo humano.

Se ainda não está totalmente convencido sobre a importância do consumo desse alimento, um experimento científico, em fase de teste, pode lhe tirar todas as incertezas sobre o consumo. O experimento afirma que a vitamina B3, presente no alimento, ajuda a conter o processo de envelhecimento. Os radicais livres presentes no organismo humano são uma das causas para que o corpo envelheça. Os radicais oxidam as células e causando assim muitas vezes a morte celular. Para que esse processo não seja tão brusco, o caminho é aumentar o consumo de antioxidantes e é justamente isso que os pesquisadores estão tentando fazer, aumentar o número de antioxidantes na vitamina B3 encontrada na carne vermelha, porco, frango e atum.

Por Isabela Castro


Uma reportagem publicada pelo USA Today alerta para o fato de que carne vermelha em excesso, de fato,  faz muito mal à saúde. Segundo a reportagem, o governo britânico recomenda que a população reduza o consumo de “bifes, hambúrgueres, salsichas e outras carnes vermelhas”. 

Os riscos de ocorrência de cânceres graves como os de intestino, mama, bexiga, estômago e pâncreas são grandes para quem faz uso mais do que frequente dessas iguarias. Segundo Ed Yong, chefe de informação em saúde do Centro de Pesquisa do Câncer da Grã-Bretanha, “isso não significa que as pessoas têm de se tornar vegetarianas", mas é preciso não fazer da ingestão de carne vermelha um hábito diário.

A dica dos especialistas é que não comamos por dia mais do que 5010 gramas de carne vermelha e que devemos dar preferência às carnes não processadas e às carnes não assadas em altas temperaturas, como o churrasco.

Por Alberto Vicente

Fontes: USA TodayPlaneta Sustentável





CONTINUE NAVEGANDO: