Substâncias presentes nas embalagens podem causar câncer e outras doenças.

Não só os produtos provenientes das redes fast food, como hambúrgueres, batatas fritas, cebolas empanadas ou frango frito, como também doces ou comidas gordurosas, vem embaladas num papel à prova de gordura, além de protegidas com caixas que são geralmente compostas, dentre outros componentes, de produtos químicos antiaderentes que podem ser transmitidos para os alimentos, segundo um estudo americano.

Divulgado pela revista de cunho científico intitulada Environmental Science and Technology Letters, o estudo fez testes com mais de 400 amostras provenientes de 27 redes de fast food nos EUA.

Quase 50% dos embrulhos feitos de papel e um quinto das amostras do papel cartão utilizado na embalagem de pizzas, esfihas e batatas fritas, apontaram presença de flúor. Esse componente geralmente é utilizado em manchas e tapetes, antiaderentes utilizados na cozinha e vestimentas impermeáveis. Os pacotes de alimentos como pães, por exemplo, foram constatados como os mais propensos a conterem flúor. Essas substâncias são conhecidas como perfluoroalquiladas e polifluoroalquiladas, as PFAS.

Conheça os riscos das PFAS

Apesar das PFAS não serem extremamente nocivos à saúde humana, existem sim alguns riscos, associados a doenças como câncer, supressão imune, baixa de peso, desordem da tireóide e também diminuição da fertilidade. Existem amostras que continham PFAS de cadeia longa, os C8, e esses C8 foram abandonados por vários fabricantes de porte grande dos Estados Unidos, graças a uma revisão da agência sanitária do país. Isso aconteceu em 2011, entretanto, os pesquisadores descobriram também alguns PFAS com cadeia curta, que estão sendo usados cada vez mais para a substituição dos C8.

Estima-se que uma a cada três crianças americanas comem fast food pelo menos uma vez ao dia. Apesar dos EUA terem começado a progressivamente extinguir alguns PFAS, ainda existe produção deles em outros países, tendendo à permanência no meio ambiente, durante muitos anos, mesmo depois que o descarte dos mesmos tenha sido feito em aterros sanitários.

Estudos feitos anteriormente apontam que essas substâncias das quais são compostas as embalagens podem ser transferidas para os alimentos.

Carolina De Marco Brandenbergher


Você já usou óleo de canola na sua dieta de hoje? 

Se a resposta for sim, parabéns. Você pode estar dando um passo gigante rumo a uma vida mais saudável e livre de câncer, pelo menos é o que diz a revista especializada Cancer Prevention Research, que realizou um estudo mostrando que duas formas da Vitamina E podem ter propriedades anti-cancerígenas.

Segundo a pesquisa, os chamados gama-tocoferóis e delta-tocoferóis, ambos encontrados em óleos vegetais como o óleo de soja, óleo de canola e em alimentos como o milho e seus derivados são muito bons no combate e prevenção do câncer. 

Mas atenção, não são todas as formas da Vitamina E que são benéficas! Segundo o Dr. Chung S. Yang, diretor do Centro de Pesquisas para a Prevenção do Câncer em Rutgers, Nova Jersey, uma das formas da Vitamina E conhecida como alfa-tocoferol não possui o mesmo benefício, podendo ter o efeito exatamente contrário e causar câncer de próstata.

O Dr. Yang alerta ainda que não há motivos para a preocupação, visto que essas moléculas potencialmente cancerígenas são mais encontradas em suplementos de Vitamina E e não possuem qualquer relação com as outras duas formas já citadas.

Por Ebenezer Carvalho


Algumas verduras são importantes para a saúde humana. Deixar o prato um pouco mais verde poderá nos render alguns anos a mais de vida.

Um vegetal muito importante é o brócolis. Parecido com uma pequenina árvore, apresentando um sabor suave, este vegetal é muitas vezes posto de lado por nós durante a refeição, entretanto suas substâncias e nutrientes podem ajudar a combater até doenças mais graves como o câncer.

Rico em vitamina A, e também em vitamina C, poderoso antioxidante, o brócolis também contém substâncias que ajudam no combate às células cancerígenas. Sulforafano é uma substância química que inibe as células responsáveis pelo câncer, logo na fase inicial da doença, além de conter ácido fólico, que também auxilia contra a moléstia.

O sulforafano, do mesmo modo, auxilia no controle da diabetes. Ele protege os vasos sanguíneos dos efeitos maléficos causados pelo o excesso de açúcar em nosso organismo, além de auxiliar a ação da insulina.

Comer verduras, e principalmente brócolis é sinônimo de uma boa saúde.

Por Rodolpho Medeiros


Especialistas indicam um consumo diário de 90 gramas (ou quatro colheres de sopa bem cheias) de arroz integral para reduzir a gordura abdominal e também para afastar o câncer.

A diferença entre o arroz integral e o arroz branco é apenas uma fina casca, mas faz uma grande diferença no organismo humano como reduzir a gordura abdominal, controlar o diabete, dentre outros benefícios.

Uma pesquisa feita com 2800 pessoas pela Universidade de Tufs nos Estados Unidos comprovou que o consumo não só de o arroz integral, mas também de outros tipos de cereais integrais reduz até 10% da gordura visceral.

Isso quer dizer que, quem come arroz integral ou outro tipo de cereal não refinado consegue dar uma “enxugada” na barriga e ainda beneficia o coração fazendo com que com menos células gordurosas circulem na corrente sanguínea.

Por Karin Földes


Uma reportagem publicada pelo USA Today alerta para o fato de que carne vermelha em excesso, de fato,  faz muito mal à saúde. Segundo a reportagem, o governo britânico recomenda que a população reduza o consumo de “bifes, hambúrgueres, salsichas e outras carnes vermelhas”. 

Os riscos de ocorrência de cânceres graves como os de intestino, mama, bexiga, estômago e pâncreas são grandes para quem faz uso mais do que frequente dessas iguarias. Segundo Ed Yong, chefe de informação em saúde do Centro de Pesquisa do Câncer da Grã-Bretanha, “isso não significa que as pessoas têm de se tornar vegetarianas", mas é preciso não fazer da ingestão de carne vermelha um hábito diário.

A dica dos especialistas é que não comamos por dia mais do que 5010 gramas de carne vermelha e que devemos dar preferência às carnes não processadas e às carnes não assadas em altas temperaturas, como o churrasco.

Por Alberto Vicente

Fontes: USA TodayPlaneta Sustentável


Uma pesquisa realizada por cientistas da Universidade de Illinois, Chicago, nos Estados Unidos, de acordo com matéria do site Saúde Terra e que foi publicada no Jornal Cancer Prevention anda Research indicou que a Framboesa Preta pode ajudar a prevenir o câncer de intestino, comprovando outros estudos que já haviam indicado que a fruta possui qualidades anticancer e antioxidante.

A pesquisa foi realizada com duas linhagens de ratos. Uma com propensão a desenvolver a doença na casa dos 60% e a outra linhagem vulnerável a colite, inflamação do intestino que pode contribuir para o aparecimento do câncer de intestino. Os pesquisadores utilizaram uma versão da fruta liofilizada, processo pelo qual a fruta é desidratada quase que completamente através de congelamento, vácuo de aumento gradativo da temperatura onde a água é retirada por sublimação.

Na primeira linhagem a incidência de tumores foi diminuída em 45%. Já na segunda linhagem os casos foram reduzidos em 50%. Os animais foram alimentados com uma dieta rica em gordura ou com a mesma dieta adicionada com 10% da Framboesa preta liofilizada, por doze semanas, com a ação da fruta inibindo o desenvolvimento dos tumores suprimindo uma proteína chamada Beta-catenina, registrando-se neste estudo um alto nível de proteção no intestino dos ratos que consumiram a Framboesa preta.

Por Mauro Câmara


Os tratamentos de combate ao câncer, geralmente vêm acompanhados de uma série de efeitos colaterais que variam de pessoa para pessoa e interferem diretamente na qualidade de vida.

Estudos realizados indicam que a atividade física realizada concomitante ao tratamento traz benefícios aos pacientes.

Essas pessoas em tratamento devem praticar os exercícios com acompanhamento de profissionais habilitados nesses casos e com indicação médica.

O bem estar e a qualidade de vida são importantíssimos, e as atividades físicas contribuem de forma eficaz no dia a dia das pessoas que fazem tratamento contra o câncer.

O contato com outras pessoas, a liberação de substancias responsáveis pelo bem estar durante as atividades, o incentivo e apoio da família e amigos somados auxiliam no processo de recuperação do paciente.

Por Milena Evelyn





CONTINUE NAVEGANDO: