Pesquisa revela que pessoas que consomem café vivem mais.

Os amantes do café têm mais um motivo para comemorar e apreciar a sua xícara de café por dia. Isso porque, em recente publicação divulgada na última segunda-feira, dia 10 de julho, na revista científica intitulada “Annals of Internal Medicine”, pesquisadores descobriram que, após análise de pessoas que consomem a bebida por hábito, foi constatado que elas vivem mais.

A primeira pesquisa é de autoria da Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer, do Imperial College London, o artigo coletou informações do Grupo Europeu focado na investigação para o Câncer e Nutrição, o EPIC. Pela análise, foi descoberto que consumidores de café, na comparação com aqueles que não consumiam, possuem menos riscos de morte.

A coleta de dados foi feita em 10 países diferentes da Europa, incluindo 520 mil mulheres e homens. Sendo assim, essa é tida como a maior amostra de pesquisa já feita quando o assunto é o café.

Já a segunda pesquisa atribuiu um consumo maior de café a uma menor periculosidade de morte em etnias diferentes. Para os cientistas da Universidade do Sul de Califórnia, a cor da pele analisada é muito importante, já que cada raça possui um estilo de vida próprio e diferente.

Nesse segundo caso de estudo multiétnico, foram analisadas 185 mil pessoas por um período de, mais ou menos, 16 anos. Nesse artigo, foi desenvolvido sobre o consumo de café entre brancos, afro-americanos, latinos, japoneses e nativos americanos e do Havaí.

Na conclusão, pessoas com consumo diário de uma xícara de café possuem 12% menos chances de morrer do que aquelas que não a bebem. Na sequência, quem bebe de duas a três xícaras a cada dia, tem uma redução de 18% na chance de morte, conforme o estudo.

E para aqueles que bebem o café descafeinado, a notícia também é excelente. Isso porque o benefício de uma vida longa também ocorre para esses, já que o componente mais importante do café que prolonga a vida não é a cafeína. O argumento é da principal autora do estudo multiétnico, Verônica Setiawan.

Anteriormente a esses estudos, já havia algumas considerações sobre importância da bebida para a qualidade de vida, sendo associada e vista como benéfica para diversas outras doenças, como por exemplo, as doenças renais, respiratórias, de diabetes, infartos, cânceres e, principalmente, do coração.

Portanto, está aí um bom motivo para começar a apreciar a bebida. Considerada uma das mais importantes do mundo, o café é consumido por 75% de adultos nos Estados Unidos, sendo que 50% diz que o bebe diariamente.

Kellen Kunz


Confira aqui os principais benefícios do café para a saúde.

Os amantes do café afirmam que essa é a bebida mais consumida pelos brasileiros, e eles não estão errados. Segundo uma pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população brasileira toma em media de 4 a 5 xícaras todos os dias. Isso reflete no consumo da bebida, que está em primeiro lugar na lista de compras da maioria da população.

Para mostrar a importância do café na vida das pessoas, outros alimentos como o feijão e o arroz ficaram para trás e estão em segundo e terceiro lugar na preferência do consumidor.

Mas o nosso país não é o único que possui amantes por café. Para se ter uma ideia, no Brasil cada indivíduo ingere aproximadamente 6 quilos do grão por ano, entretanto, em países como a Noruega, Dinamarca e Finlândia, esse número é bem maior e pode chegar a 13 quilos anuais.

As pessoas que tem o hábito de tomar café todos os dias acabam ingerindo várias substâncias e uma delas e a cafeína, que é conhecida por sua ação estimulante. O café pode acarretar inúmeros benefícios, confira abaixo alguns deles:

Fertilidade:

De acordo com cientistas do Hospital Universitário Aarhus, na Dinamarca, tomar café mais de cinco vezes por dia pode reduzir em 50% as chances de sucesso no tratamento de fertilização.

Câncer de pele:

Segundo a dermatologista Flávia Addor, os alimentos antioxidantes, como o café, podem ajudar na prevenção do câncer.

Expectativa de Vida:

Um estudo realizado no Instituto Nacional do Câncer, nos Estados Unidos, comprovou que beber de 3 a 4 xícaras de café pode aumentar o seu tempo de vida, sendo que para os homens a expectativa é de 10% de aumento e 13% para as mulheres.

Dor de Cabeça:

Algumas pessoas afirmam que o café causa dor de cabeça, enquanto outros dizem que melhora a dor. Mas, para não ter dúvidas, a pesquisadora Adriana Farah, recomenda a diminuição da ingestão cafeína até a pessoa perceber se é realmente a bebida que está lhe causando a dor. Contudo, na maioria dos casos, a cafeína pode ajudar, visto que em alguns analgésicos apresentam em sua formula a cafeína.

Mas para quem é fã da bebida, basta seguir as dicas e consumir de 3 a 4 xícaras por dia, que podem ser distribuídas em três porções: de manhã e as outras duas ou três à tarde, lembrando-se de sempre dar um tempo de uma hora entre uma tomada e outra.

Raquel Alice Moreira


O café sempre foi uma das bebidas mais consumidas tanto no Velho quanto no Novo Mundo. Muito mais que um simples estimulante, a cafeína tem se tornado parte da vida das pessoas e está presente não só dentro das nossas casas, mas também nas mesas de escritórios de muita gente.

As vantagens da bebida na saúde das pessoas ainda são muito discutidas na medicina. Existem vários estudos que mostram benefícios ao coração e ao cérebro, mas pouquíssimas pesquisas correlacionam a expectativa de vida de quem aprecia a bebida.

Segundo uma pesquisa americana publicada no periódico especializado The New England Journal of Medicine e realizada com mais de 400 mil pessoas durante 14 anos, a taxa de mortalidade daqueles que bebem café e daqueles que não bebem foi comparada, e os resultados foram impressionantes.

A pesquisa concluiu que os homens que tomam entre 4 e 5 xícaras de café têm 12% a menos de chances de morrer. Já a chance de sobrevivência das mulheres subiu 16% tomando a mesma quantia em comparação com aquelas que não bebem café.

Segundo Neal Freedman, a mente por trás da pesquisa, essas estimativas não são uma garantia dos efeitos do café para a sobrevivência, mas já é possível especular sobre seus benefícios na saúde humana, uma vez que a pesquisa demonstrou uma relação inversa entre os efeitos do consumo de café e a morte. O estudo considerou ainda todos os motivos de mortes como infecções, derrames e diabetes.

Por via das dúvidas, acho melhor continuar com as doses diárias de cafeína. Afinal, o que não mata, pode te deixar mais esperto e disposto pela manhã não é verdade?

Por Ebenézer de P. Carvalho


Uma boa parte da população brasileira adora uma xícara de café, tomamos pela manhã, no lanche da tarde e até mesmo a noite.

É necessário muito cuidado com a ingestão em excesso de cafeína. Esta substância amarga pode causar diversos transtornos para nossa saúde, como vícios, problemas dentários, osteoporose ou até câncer. A cafeína é encontrada nos cafés, chás, refrigerantes, no cacau e também em medicamentos.

Os efeitos da cafeína são bastante conhecidos pela população. Ao ingerir algum produto que contenha a substância, a cafeína é absorvida pelo intestino delgado e cai na corrente sanguínea. A partir daí, a substância provoca o aumento do batimento cardíaco e da pressão do sangue. Esta sequência gera no organismo uma sensação de revigoramento, pois estimula o cérebro e diminui a fadiga.

Um dos maiores perigos que a cafeína pode causar no nosso organismo, principalmente em mulheres, é a osteoporose, ou perda de massa óssea. A cafeína se liga ao cálcio presente no sangue e não permite que este íon preencha seu devido lugar em nossos ossos.

Outro problema relevante é a dependência que a cafeína pode causar em seus usuários, gerando transtornos como insônia, ansiedade e tremores.

O consumo de cafeína deve ser com bom senso, ou seja, moderado, evitando assim danos fisiológicos ao nosso organismo. 

Por Rodolpho Medeiros


Diferente daquilo que diz a crendice popular, um estudo israelense diz que café faz bem à saúde. Segundo pesquisadores do Sheba Medical Center, três xícaras de café por dia protegem o sistema circulatório e previne o infarto.

Médicos do Instituto do Coração de Sheba liderados pelo professor Michael Shechter realizaram o estudo com 40 adultos saudáveis e outros 40 cardíacos. Todos ingeriram uma pílula de cafeína equivalente as três xícaras de café e, exames feitos após o teste mostraram que houve melhora no funcionamento do endotélio, redução da proteína C-reativa, fator que dá a possibilidade de acontecer ataques cardíacos e acidente vascular cerebral (AVC) e aumento da adiponectina, proteína que previne tais problemas.

A cafeína fez bem aos dois tipos de pacientes. Mesmo sem ter ao certo quais são as consequências do consumo da cafeína em longo prazo, o efeito por um pequeno período é positivo. Estudos para uso em longos períodos já estão nos planos dos pesquisadores.

Por Danielle Vieira





CONTINUE NAVEGANDO: