Venda de lote de Arroz é Proibida pela Anvisa



  

Proibição se deve ao fato do órgão ter encontrado excremento e pelo de roedor no alimento.

Essa semana a Anvisa, Agência Nacional de Vigilância Sanitária, anunciou a proibição de venda e de distribuição de um produto alimentício, por encontrar nele pelos de ratos inteiros e fragmentados, além de cocô de rato, pedaços de insetos e larvas inteiras de insetos. Não é a primeira vez que isso acontece e lotes são retirados dos supermercados, dessa vez foi o arroz da marca Favorito.

As análises do produto foram realizadas no Centro de Laboratório Regional, mais precisamente pelos pesquisadores do Instituto Adolfo Lutz Campinas III.

Nas amostras analisadas do arroz longo fino do tipo 1, da marca Favorito ,cujo lote é 00204, com validade para fevereiro deste ano, foram encontradas os excrementos, pelos de roedores, partes de insetos e larvas.

Dessa forma, o resultado foi publicado no “Diário Oficial Da União” na primeira segunda-feira de 2017. O arroz é empacotado e também distribuído pela empresa chamada Total Cesta Básica de Alimentos Ltda-ME, cujas instalações ficam na cidade próxima a Belo Horizonte, em Contagem (MG). A empresa, segundo determinação da Anvisa, deve fazer o recolhimento de todo o estoque desse lote, que ainda existem no mercado.

Casos como esse, vez ou outra aparecem no mercado de alimentos no Brasil. A Anvisa, desde o ano de 2014 já havia criado uma resolução sobre esse tipo de problema. A resolução fala sobre esse tipo de matérias estranhas, que podem ser microscópicas e macroscópicas, que podem ser encontradas em bebidas ou alimentos, colocando assim um limite de tolerância e também providências para quando esses limites forem ultrapassados.





Muitos consumidores se espantaram com essa resolução que de certa forma aceita esses corpos estranhos em alimentos, ainda que sejam em proporções mínimas. Porém, a Anvisa afirma que em quantidades pequenas esses tipos de elementos quando presentes nas bebidas e nos alimentos não oferecem riscos para a saúde dos consumidores.

É melhor que exista um parâmetro para esse tipo de problema, do que não haver nenhum, como acontece em muitos países.

A ingestão de alimentos contaminados, a depender do tipo de contaminação, pode desencadear muitos problemas de saúde, dos mais simples aos mais complexos. A contaminação por pelos de animais pode acarretar diarreia e até mesmo hepatite.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária está sempre de olho para evitar que esses alimentos cheguem ao mercado.

Sirlene Montes



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *