Estudo revelou que pacientes diabéticos que utilizaram o medicamento perderam, em média, 8 quilos em todo o tempo da pesquisa.

Um estudo publicado no The New England Journal of Medicine, apontou para um medicamento que trata diabetes, mas que surge como um recurso para ajudar as pessoas obesas com a redução de peso.

O medicamento, que foi aprovado em 2014 nos Estados Unidos, é injetável para diabéticos, chamado Liraglutide. Pessoas que o utilizaram, perderam, em pouco mais de um ano, uma média de 8 quilos. Além disso, segundo a pesquisa, os pacientes em sua maioria, conseguiram evitar o ganho de peso durante todo o processo de duração do estudo do fármaco que é denominado como Saxenda, do laboratório Novo Nordisk – esse estudo teve a duração de 56 semanas e esse foi o tempo em que os pacientes não ganharam peso.

Dados dos testes:

Pessoas de países da Europa, Américas do Sul e do Norte, Ásia, África e Austrália participaram dos testes. Foram 191 cidades no total, que tiveram 3.731 indivíduos com idade maior de 18 anos e com um Índice de Massa Corporal (IMC) igual ou acima de 30, como participantes do estudo. Com relação ao IMC, vale lembrar que o considerado saudável fica entre 19 e 25. Do total de participantes, quase dois terços receberam a droga e um treinamento para ter melhores hábitos de vida. Os demais também receberam o mesmo treinamento, mas não receberam a droga e sim, um placebo – nem médicos nem pacientes tinham ideia de quem estava utilizando o medicamento.

Os resultados:

Quem usou o medicamento Liraglitude, recebeu uma dose maior que a prescrita para pacientes diabéticos, que é de 1,8mg. Os pacientes recebiam a injeção diariamente. Ao fim do prazo do estudo, os resultados mostraram que quem recebeu o placebo emagreceu uma média de 2,72kg e os que receberam o medicamento, emagreceram, em média, três vezes mais.

Efeitos colaterais:

O medicamento Liraglitude pode desencadear alguns efeitos colaterais, como dores gastrointestinais, cálculos biliares e um leve aumento no risco de câncer de mama – este último, segundo os pesquisadores, ainda precisa de mais estudos para que se comprove melhor.

Chegou-se a esse estudo, devido alguns pacientes que utilizavam o Liraglitude terem notado a perda de peso como decorrência do uso do medicamento, mesmo tendo sido utilizado em doses menores.

Por Elia Macedo

Emagrecer

Foto: Divulgação


Após o comunicado da ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) solicitando a retirada de medicamentos utilizados para o controle da obesidade, que contém sibutramina e dos anorexígenos anfetamínicos (anfepramona, femproporex e mazindol) alegando os altos riscos à saúde que esses medicamentos podem provocar, a comunidade médica se dividiu com relação a eficácia e riscos dos medicamentos citados.

Alguns médicos, especialmente os Endocrinologistas, são contra a proibição da venda e uso desses medicamentos. Para eles, não é necessário banir, e sim aumentar sua fiscalização sobre esses produtos. Segundo o Endocrinologista Márcio Mancini, o estudo feito pela ANVISA para a proibição de tais medicamentos, não foi elaborado por especialistas em obesidade, além disso, consta de uma série de equívocos.

Em nota, a ANVISA informa que em diversos países esses remédios já foram proibidos por serem considerados medicamentos de alto risco aos usuários e obsoletos para este tratamento.

Por Henrique Pereira





CONTINUE NAVEGANDO: