Confira aqui qual a importância e os principais cuidados a se tomar com a prática de exercícios físicos durante a gravidez.

Não é de hoje que médicos e atletas discutem sobre a prática de esporte entre gestantes. Para tentar dar um fim a essa discussão, uma recente pesquisa do Comitê Olímpico Internacional divulgou que, apesar das ideias controversas ao uso do exercício por atletas grávidas, a prática tem menos riscos do que se imagina. 

Sabe-se que o universo feminino é muito complexo e que um dos maiores motivos de preocupação da mulher refere-se ao seu corpo, tornando o exercício um grande aliado na busca de um físico mais saudável e esteticamente bonito. Porém, é preciso salientar que o peso que se ganha durante uma gravidez não se refere à gordura, mas sim ao aumento de peso gestacional, explicada pela medicina nutricional e profissionais de educação física como o resultado do crescimento do bebê no ventre da mãe. Todavia, é importante salientar que caso não haja prática de exercícios e principalmente cuidado na ingestão de alimentos durante a gestação, o peso extra pode sim ser explicado como gordura. 

Portanto, para as gestantes, indica-se o acompanhamento nutricional e ginecológico durante este período, como forma de avaliação médica para a prática de esportes e cuidados na alimentação. Conforme a nutricionista Caroline Welter, especialista na Prática de Nutrição Pré, Durante e Pós Exercício, é fundamental a realização de exercícios leves, de forma que não prejudique mãe e bebê. “É claro que a polêmica sobre fazer ou não exercícios durante a gestação depende muito do histórico da mãe. Portanto, recomenda-se, principalmente, os exercícios na água, como hidroginástica, que tem baixo impacto. Além disso, caminhadas são uma ótima opção, sempre dentro de suas limitações”.

Muito difundido atualmente, o pilates também foi citado por ela, tendo em vista que é uma boa maneira de se exercitar durante a gravidez, por estar dentro dos limites do que a mulher pode ou não fazer, não prejudicando o bebê. Além disso, os benefícios desta atividade beneficia a futura mamãe em relação à sua postura, aliviando dores e conscientizando-a sobre as mudanças que estão ocorrendo no seu corpo durante esta fase.

Por outro lado, “não é indicado exercícios em que a grávida levante muito peso e nem corridas muito pesadas. Porém, se a grávida tiver a resistência por estar sempre praticando atividades físicas, o alongamento antes e depois e o equilíbrio é super importante”, finaliza Caroline.

Kellen Kunz


Pesquisa revela que filhos de mães que praticam exercícios físicos tendem a se exercitar mais do que os de mães sedentárias.

As famílias costumam ter hábitos parecidos em relação à prática de exercícios físicos. Geralmente os filhos de pais sedentários não simpatizam muito com atividades físicas, enquanto os filhos de pais que são mais ativos e que gostam de se exercitar, acabam sendo também. Mas é óbvio que há muitas outras questões que influenciam nesse comportamento e o gosto pelas atividades físicas não depende apenas de fatores genéticos.

Um novo estudo feito por pesquisadores do Baylor College of Medicine e da Rice University, publicado pela revista científica "FASEB Journal" indica que há possibilidades de que o nosso gosto por atividades físicas possa ser influenciado pelos hábitos de nossas mães, ainda durante a gravidez. Os pesquisadores fizeram um experimento em filhotes de ratos – reuniram fêmeas de ratos geneticamente idênticas e as colocaram em gaiolas com rodinhas de exercício. Após uma semana nas gaiolas com rodinhas, as fêmeas foram retiradas e colocadas junto a machos da mesma linhagem genética, ficando grávidas em seguida.

Os pesquisadores colocaram metade das fêmeas grávidas em gaiolas sem rodinha e a outra metade em gaiolas com rodinha, novamente. Quando os filhotes já haviam nascido e chegaram à adolescência, os que eram filhos de mães que praticaram exercícios durante a gravidez (aquelas que foram colocadas nas gaiolas com rodinhas) começaram a correr mais do que aqueles filhos de mães que não correram na rodinha da gaiola, essas diferenças aumentaram de forma significativa conforme esses filhotes envelheciam.

Programação Desenvolvimental:

Os cientistas estudaram a chamada Programação Desenvolvimental. Segundo essa teoria, o corpo e o DNA do feto podem ser afetados pelo ambiente do útero da mãe e pelos primeiros momentos de vida, isso influencia diretamente em sua saúde.

De acordo com Robert Waterland, professor de pediatria e genética da Baylor, esse resultado deixa evidente que "a atividade física da mãe durante a gravidez provavelmente afeta a atividade física dos filhotes". Apesar de ratos serem muito diferentes dos humanos, Robert também lembra que mulheres grávidas podem sim praticar exercícios físicos leves, como caminhadas e natação, desde que tenham permissão do médico antes, isso pode desencadear nos bebês o gosto pela atividade física.

Por Nathalia Henderson





CONTINUE NAVEGANDO: