Uma boa dica para os adolescentes que pretendem ter menor risco de contrair derrames e doenças cardíacas na fase adulta, é reduzir 3 gramas da ingestão de sal nas refeições por dia. Quem aponta este fato é um estudo americano realizado pela Universidade da Califórnia, mais precisamente pela pesquisadora Kirsten Bibbins-Domingo. A redução em tais problemas de saúde chega a ficar entre 30% até 40%.

Existem também outros benefícios que os adolescentes podem apresentar com a diminuição do sal. Quando estão perto da faixa etária dos 50 anos, estas pessoas reduzem de 8% até 15% as chances de apresentarem ataques cardíacos, de 7% até 12% menos chances de desenvolverem doenças coronarianas, além de uma diminuição de 5% até 8% nos casos de derrames. Segundo informações, meninos e meninas nos Estados Unidos chegam a consumir cerca 3,8 gramas de sal ao dia, sendo que o ideal é 1,5 gramas.

A dica é, além de cuidar do sal que você coloca nos alimentos durante as refeições, observar a quantidade já existente nestes. Pois, segundo especialistas, as maiores quantidades de sal que ingerimos são de alimentos que já apresentam alto teor de sódio. Por isso, verifique sempre a quantidade de sódio na tabela nutricional dos alimentos antes de consumi-lo.

Por Oscar Ariel


Pesquisas recentes afirmam que o brócolis possui propriedades poderosas na prevenção e combate ao câncer e outras doenças.

Pesquisas realizadas nas Universidades de Georgetown e da Califórnia, nos Estados Unidos, revelam que os isotiocianatos, encontrados em vegetais como o brócolis, agrião e couve-flor, removem o gene p53, que quando alterado proporciona o aparecimento da maioria dos cânceres humanos.

Além do câncer, o brócolis tem sido apontado como eficaz na prevenção e tratamento de doenças respiratórias como asma, rinite alérgica e doença pulmonária obstrutiva crônica.

Quem ainda não criou o hábito de incluir vegetais em sua alimentação diária, é uma boa hora para começar! Motivos não faltam!

Por Ivana Moraes


Com a temporada das chuvas de verão somada com o calor, aumenta a proliferação de mosquitos, inclusive do Aedes aegypti, o transmissor da dengue. Por isso, informar-se sobre a doença é fundamental. Veja algumas informações a seguir:

A dengue é uma doença infecciosa comum em países de clima tropical. Seu agente transmissor é o mosquito Aedes aegypti, que costuma se reproduzir em locais que concentram água parada.

A doença é dividida em quatros tipos, em que os mais conhecidos são: a dengue clássica, e a dengue hemorrágica, que é a etapa mais avançada, que pode levar a óbito.

Seus principais sintomas são dores de cabeça, nas articulações e nos ossos. O paciente também tem febre alta, vômito e aparecem manchas vermelhas pelo corpo.

Se surgirem esses sintomas procure um posto de saúde mais próximo.

Por Selma Isis

Fonte: Isabela Baraúna- infectologista.


O ácido úrico é uma substancia presente no nosso organismo, gerada a partir da quebra das moléculas de proteínas presentes nos alimentos que ingerimos ao longo do dia. Após sua passagem pelo sangue, uma parte dele deverá ser eliminada pelos rins e intestinos. Problemas são diagnosticados quando o individuo passa a produzi-lo em excesso ou o organismo encontra dificuldades em eliminá-lo. Nesses casos é diagnosticada a hiperuricemia.

A “gota” é um dos problemas mais comuns em pessoas que produzem o acido úrico em excesso, ela pode ser hereditária e costuma atingir mais os homens do que as mulheres.

Os sintomas mais comuns são as dores nas articulações (joelhos, cotovelos, mãos e ombros), e, em alguns casos, pode causar pequenos caroços na pele e até mesmo cálculos renais.

A cura total da doença não existe, mas os níveis da substancia no sangue podem ser controlados com tratamento medico.

Por Milena Evelyn





CONTINUE NAVEGANDO: