Café – Pesquisa revelou a taxa de mortalidade de pessoas que bebem e não bebem



  

O café sempre foi uma das bebidas mais consumidas tanto no Velho quanto no Novo Mundo. Muito mais que um simples estimulante, a cafeína tem se tornado parte da vida das pessoas e está presente não só dentro das nossas casas, mas também nas mesas de escritórios de muita gente.

As vantagens da bebida na saúde das pessoas ainda são muito discutidas na medicina. Existem vários estudos que mostram benefícios ao coração e ao cérebro, mas pouquíssimas pesquisas correlacionam a expectativa de vida de quem aprecia a bebida.

Segundo uma pesquisa americana publicada no periódico especializado The New England Journal of Medicine e realizada com mais de 400 mil pessoas durante 14 anos, a taxa de mortalidade daqueles que bebem café e daqueles que não bebem foi comparada, e os resultados foram impressionantes.





A pesquisa concluiu que os homens que tomam entre 4 e 5 xícaras de café têm 12% a menos de chances de morrer. Já a chance de sobrevivência das mulheres subiu 16% tomando a mesma quantia em comparação com aquelas que não bebem café.

Segundo Neal Freedman, a mente por trás da pesquisa, essas estimativas não são uma garantia dos efeitos do café para a sobrevivência, mas já é possível especular sobre seus benefícios na saúde humana, uma vez que a pesquisa demonstrou uma relação inversa entre os efeitos do consumo de café e a morte. O estudo considerou ainda todos os motivos de mortes como infecções, derrames e diabetes.

Por via das dúvidas, acho melhor continuar com as doses diárias de cafeína. Afinal, o que não mata, pode te deixar mais esperto e disposto pela manhã não é verdade?

Por Ebenézer de P. Carvalho



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *