Adoçante – Tipos, Cuidados, Qual é Melhor?



Conheça aqui mais sobre cada tipo de adoçante e qual é o melhor.

Na atualidade um dos hábitos mais saudáveis é a dieta que busca reduzir o consumo de açúcar. Muitos médicos já revelaram os problemas desta substância, se consumida em muita quantidade. O excesso de açúcar na corrente sanguínea é a causa dos maiores males para a saúde na atualidade. O fim do ano chegou e a tentação de degustar todo tipo de sobremesa pode ser grande, assim, existem algumas dicas sobre a utilização de alguns tipos de adoçantes, que se tornaram verdadeiros substitutos do açúcar em nossos dias.

Informação importante para quem deseja iniciar algum regime é de que existe o termo Diet, sem açúcar, que se distingue rigorosamente do termo Light, ou seja, alimentos com menos calorias. Assim, temos a diferença entre dois tipos de hábitos alimentares, que, de certa forma, se encontram em um ponto: o adoçante pode ser utilizado no sentido de dosar a quantidade de calorias no alimento.



Entre os melhores adoçantes, segue uma relação abaixo:

O Xilitol é considerado um tipo de adoçante natural, tratando-se de uma espécie de álcool de açúcar. Possui um paladar muito parecido ao do próprio açúcar, como substância. Esta marca de adoçante tornou-se uma excelente alternativa em relação ao açúcar, já que não possui a intensidade de calorias do mesmo, reduzindo os danos à saúde, contendo, pelo contrário, certos benefícios para os dentes, reduzindo a incidência de cáries.

O Eritritol é um tipo de adoçante resultante em álcool, a partir do açúcar, mas considerado um tipo de adoçante natural. Embora seja bastante doce, não possui muitas calorias, sendo extraído de alguns tipos de frutas. A recomendação dos especialistas é a de que ele não seja consumido em excesso, devido à sua composição, que pode causar problemas no estômago.



O Stevia é um dos mais populares tipos de adoçantes. Está entre os que menos possuem calorias. A substância Estevia é extraída do cerne das folhas de um tipo de planta, cujo nome é Stevia Rebaudiana, muito utilizada em especiarias culinárias e até na produção de diversos medicamentos. De acordo com o que algumas pesquisas de base científica indicam, essa substância, Estevia, está repleta de diversos benefícios para a saúde, proporcionando uma significativa redução de pressão arterial, entretanto, isso se aplica somente para pessoas que sofrem de pressão alta.

Uma pequena relação dos adoçantes mais populares, cujas marcas precisam ser evitadas, segue abaixo:

O Aspartame é um tipo de adoçante muito industrializado, conforme anunciou um estudo realizado na Universidade de Liverpool, na qual os pesquisadores chegaram à conclusão que, se o mesmo for misturado com alguns colorantes, ele tende a se tornar muito tóxico, sobretudo para as células do cérebro.

O Sucralose é um tipo de adoçante que resulta, no final, em derivado da sucralose, portanto, não é nada natural. A sucralose, em realidade, é um subproduto surgido do açúcar, por meio de um processo químico, no qual três grupos de hidrogênio-oxigênio são alterados por átomos de cloro. Assim, essa substância acaba resultando em processos fisiológicos que aumentam dos níveis de insulina na corrente sanguínea, o que pode ser perigoso para pessoas que não estão acostumadas a ingerir adoçantes artificiais com regularidade.

O High Fructose Corn Syrup ou o Xarope de Milho de Alta Frutose, que é um tipo de conteúdo muito utilizado na produção dos refrigerantes e dos snacks infantis. Trata-se, em realidade, de um adoçante muito conhecido por causar, desastrosamente, a chamada síndrome metabólica em longo prazo. De acordo com um estudo realizado na Universidade da Califórnia, chegou-se à conclusão, por meio de testes, que esse xarope acaba estocando-se como gordura no fígado, o que causa resistência à leptina, o hormônio responsável pela saciedade. Portanto, pode causar danos irreversíveis para a saúde.

Na atualidade, na vida moderna tão artificiosa, é difícil encontrar meios mais saudáveis de alimentação, embora os processos de higienização tenham melhorado. Hoje, no geral, as pessoas quase não tem tempo de cozinhar em casa, optando pelos fast foods, que são a base dos problemas de saúde. É importante poder preparar a própria comida do modo mais natural, mesmo que a mesma não seja tão saborosa, porém, mais saudável.

Paulo Henrique dos Santos



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *